Austrália é o país mais feliz do mundo, segundo OCDE
May31

Austrália é o país mais feliz do mundo, segundo OCDE

Oi gente, tudo bom? Eu já tinha falado sobre esse assunto nesse post aqui. Mas ontem eu li essa matéria da BBC Brasil e resolvi compartilhar com vocês. Segue abaixo matéria na íntegra: “A Austrália foi eleita pela terceira vez como o país mais feliz do mundo em um ranking da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). O Brasil ficou em 33º lugar da lista – uma posição acima do resultado do ano anterior. O ranking compara os 34 membros da OCDE – na maioria nações desenvolvidas – e dois “parceiros-chave”: Brasil e Rússia. Suécia, Canadá, Noruega e Suíça vieram logo em seguida no ranking. A comparação foi feita com base em onze critérios, tais como renda, saúde, segurança e moradia. “A Austrália teve um desempenho excepcionalmente bom na medida de bem estar, como se pode ver pelo fato dela figurar entre os países melhor colocados em um grande número de tópicos do ‘Index da Vida Melhor'”, diz o relatório da OCDE. Mais de 73% dos 23 milhões de habitantes com idades entre 15 e 64 anos possuem um trabalho remunerado – o índice está acima da média dos países da organização. Além disso, a expectativa média de vida no país, de 82 anos, também é alta. Força da economia A economia australiana registrou mais de duas décadas de crescimento devido à demanda por seus recursos naturais. A nação também conseguiu passar ao largo da etapa mais difícil da crise financeira e foi o único grande país desenvolvido que conseguiu evitar a recessão global de 2009. Os países mais felizes do mundo Austrália Suécia Canadá Noruega Suíça EUA Dinamarca Holanda Islândia Grã-Bretanha A força econômica do país está se refletindo no dólar australiano, que atingiu os melhores patamares dos últimos 30 anos. Porém, o governo está começando a identificar alguns desafios ao crescimento, muitos deles relacionados à desaceleração da atividade mineradora e ao aumento do desemprego. Como resultado, o governo australiano tenta diminuir a dependência econômica do país em relação à mineração e desenvolver setores como o da construção e o da manufatura. Outro desafio a ser vencido é o atual aumento na disparidade de renda. De acordo com a OCDE, os 20% mais ricos do país recebem rendimentos seis vezes superiores aos 20% mais pobres do país.” Fonte: BBC...

Read More
Do sol no Brasil para o sol na Austrália
Mar27

Do sol no Brasil para o sol na Austrália

Oi gente, vi essa matéria na Veja e achei muito informativa. Segue abaixo matéria na íntegra: “Quem errar essa resposta é filhote de canguru: qual é a capital da Austrália? Errou. Por que não saber um pouco mais sobre esse país que recebe tantos brasileiros, moradores e turistas, e é tão ensolarado quanto o nosso? A Austrália foi colonizada, a partir de 1780, pelos ingleses, povo de pele muito clara. Hoje, mais de dois séculos depois, a maioria da população tem pele bem branca. E a combinação desse tipo de pele com sol intenso resultou na maior incidência de câncer de pele do mundo. Achei interessante conversar com alguém que vive no país para contar um pouco como é estar debaixo de tanto sol. Desse jeito, podemos comparar a Austrália com a nossa realidade aqui no Brasil. Conversei com um amigo, Edilson Adib Antonio (o Beleza), um brasileiro que mora há 7 anos em Sydney, junto com a mulher Ursula e o filho pequeno Santiago. O assunto câncer de pele é muito comentado aí na Austrália? Bastante. Segundo as propagandas na TV, 2 em cada 3 pessoas vão ser diagnosticadas com câncer de pele quando estiverem na faixa dos 70 anos. Como são as campanhas de esclarecimento sobre câncer de pele na Austrália? São muitas ações de TV, campanhas na praia, cartazes em todos os locais públicos. Recebemos informações e dicas de proteção e prevenção no nosso dia a dia. E as crianças na escola também recebem informações. Você e sua família usam filtro solar no dia a dia? O uso de filtro solar é muito comum aqui na Austrália e se tornou uma coisa natural quando alguém sai de casa. Com minha família não é diferente: tenho um filho de 1 ano e 3 meses e antes de sair de casa o coitadinho já está todo brilhando. Usamos filtro com FPS 30, como a maioria das pessoas que conheço.  Que tipo de proteção solar você usa, além do filtro? Eu trabalho na rua, então preciso do kit completo: filtro solar, boné tipo legionário, óculos de sol e, muitas vezes, quando tenho que ficar várias horas exposto ao sol, uso uma camisa de manga comprida feita de um tecido leve, mas que protege do sol. Eu não tenho uma camisa especial com proteção UVA e UVB. Vocês recebem alguma orientação quanto à proteção solar do seu filho? Orientação direta não, mas ninguém aqui na Austrália pode dizer que não sabe sobre os problemas causados pelo sol, porque a quantidade de campanhas falando sobre a prevenção de câncer de pele é enorme. No primeiro dia de creche do meu filho nós...

Read More
Tipos de Visto para a Austrália
Dec03

Tipos de Visto para a Austrália

Oi gente, hoje venho contar mais um pouquinho sobre como migrei para a Austrália. Quando decidi que era para a Austrália mesmo que eu queria ir, comecei a procurar tipos de visto, escolas de inglês, share accommodation (um tipo de república de estudantes) e coisas assim. Naquela época eu já era formada pela PUC-SP em Comunicação em Multimeios e, ao pesquisar na lista de profissões do Governo Australiano, vi que a minha profissão estava em demanda. Isso me animou muito, pois percebi que esse seria o caminho mais fácil para a tão desejada PR (residência permanente). Como eu tenho dupla cidadania, brasileira e italiana, fui atrás do Working Holiday Visa, um visto para Europeus, Argentinos, Chilenos, Sul-Coreanos e algumas outras nacionalidades. O pedido para esse visto é feito pela internet, o pagamento é com cartão de crédito e o visto é aprovado na hora, algo bem diferente que ocorre no processo de visto para brasileiros. Se você tem dupla cidadania, recomendo muito que você procure mais informações sobre o Working Holiday Visa no site da Imigração. A maior vantagem desse visto é que ele permite que o estrangeiro trabalhe período integral. Mas a maior desvantagem dele é que não se pode estudar por mais do que 4 meses. Sem contar que, se o estrangeiro não conseguir um empregador que lhe ofereça o Sponsor Visa, ele só poderá trabalhar por 6 meses para cada empresa e, caso queira renovar o visto por mais um ano, terá que trabalhar nas fazendas colhendo frutas ou cuidando dos animais. Assim que cheguei em Sydney comecei a mandar currículos e dei a maior sorte do mundo de conseguir um emprego logo no primeiro currículo enviado! Como se isso não bastasse, depois de um mês de trabalho meu chefe me ofereceu o tão desejado Sponsor Visa, o visto de Residência Temporária de 4 anos. Após 2 anos no Sponsor Visa dei entrada no processo de Job Nomination, vulgo Residência Permanete, que foi aprovado 6 meses depois. E foi assim que o meu destino na Austrália começou a ser traçado! Se você também sonha em migrar para a Austrália, não deixe de dar uma olhadinha no programa de Imigração Permanete. Primeiro confira se a sua profissão está em demanda na lista do Governo e depois veja se você tem os pontos necessários para se inscrever nesse programa. Agora se sua única opção é vir com o Visto de Estudante, eu aconselho que você comece a guardar dinheiro desde já, pois a vida de estudante na Austrália não é as mil maravilhas! Isso porque o visto é caro e ele exige que seja feito um exame médico...

Read More
Bye Bye Brasil!
Nov29

Bye Bye Brasil!

Oi gente, faz quase 5 anos que eu moro na Austrália, mas só agora resolvi criar um blog falando um pouquinho de como é morar aqui e o que eu fiz para conseguir migrar de vez. Acho que a primeira coisa que vocês devem se perguntar é: Por que você resolveu sair do Brasil para morar na Austrália? Bom, mudar de país é uma decisão muito difícil de ser tomada, ainda mais quando você nunca fez intercâmbio nem nada! Mas eu não aguentava mais morar em São Paulo. Mercado de trabalho saturado, péssimos salários, trânsito infernal, chuvas torrenciais, um calor do Congo, violência, medo… Resumindo, eu estava estressada, frustrada e muito infeliz. Como se isso tudo não bastasse, eu sempre tive a impressão de ser um peixe fora d’água no Brasil, pois não suporto falta de educação, corrupção e o famoso (e péssimo) “jeitinho brasileiro”. Então resolvi procurar novos horizontes e comecei a pesquisar. Vários fatores pesaram na hora da escolha do país e da cidade, tais como: economia do país, custo de vida, oferta de emprego, salário, qualidade de vida, segurança e etc. Pesquisei muito, muito mesmo, e escolhi Sydney para ser a cidade do meu coração. 🙂 Hoje posso dizer com todas as letras que migrar para a Austrália foi a melhor coisa que eu fiz na minha vida! Fato! Espero muito que vocês gostem do blog. Qualquer dúvida ou sugestão é só deixar um comentário aqui embaixo que eu vou responder com todo o carinho! Um beijão e até mais...

Read More