Vivid Sydney
May25

Vivid Sydney

O Vivid Sydney é um evento de luzes, música e idéias que acontece uma vez ao ano, com uma “galeria” ao ar livre de extraordinárias esculturas iluminadas, um programa de música contemporânea, alguns dos mais importantes fóruns da indústria criativa do mundo e, claro, a iluminação espetacular das velas da Sydney Opera House. O evento começou na sexta feira, dia 22 de maio, e vai até o dia 8 de Junho, iluminando as noites de Sydney de neon das 18:00 a meia noite, nos envolvendo numa atmosfera psicodélica. Esse evento posiciona Sydney como o centro criativo da Austrália da região do Pacífico Asiático, oferecendo um entretenimento ao vivo um tanto inovador e inspiração criativa em grande escala. Pessoas criativas do mundo todo, desde profissionais da indústria a aspirantes a profissionais, ou simples curiosos, são convidados a Sydney anualmente para assistir a cidade se transformar em uma tela de expressão criativa de tirar o fôlego. Por 18 dias pessoas de todas as gerações aproveitam o inverno ameno de Sydney para assistir esse evento espectacular. Este ano, além de iluminar o The Rocks e a Darligh Harbour, o evento também abrange o centro comercial de Chatswood, The University of Sydney e Chippendale (clique aqui para baixar o mapa das atrações). Para maiores informações acessem: www.vividsydney.com Eu pretendo conferir esse evento no final de semana e depois posto mais fotos para vocês. Um beijão, Drika...

Read More
Cidadania à venda?
May03

Cidadania à venda?

O governo australiano cogita vender o direito de imigrar para a Austrália – vetando vistos para os migrantes com base em suas habilidades ou conexões familiares – sob proposta radical que está sendo examinada pelo governo. A Comissão de Produtividade propôs um sistema de imigração baseado no preço que usaria altas taxas como o principal determinante para se obter o visto para a Austrália. Tal esquema poderia ajudar o défice orçamental do governo, trazendo dezenas de bilhões de dólares extra para a receita, o que permitiria o corte do número de funcionários públicos que administram o atual sistema de imigração da Austrália. Mas as propostas têm alarmado grupos empresariais e sindicatos, que dizem o combate a escassez de mão de obra qualificada deve continuar sendo o foco da política de imigração da Austrália. Grupos comunitários dizem que se opõem a quaisquer movimentos que impeçam os imigrantes mais pobres de reunir-se com suas famílias. A Comissão de Produtividade propôs a introdução de uma loteria de imigração e a criação de um sistema de pagamento HECS (uma espécie de financiamento) para os imigrantes pagarem a taxa do visto após conseguirem um emprego no país. O programa de migração australiano emite vistos de residência permanente para três tipos de migrantes: aqueles com habilidades específicas (mão de obra qualificada); aqueles com família na Austrália; e outros que atendam a critérios de elegibilidade especiais. O governo estabeleceu o inquérito da proposta da Comissão de Produtividade, que emitirá o seu relatório final em Março de 2016. No documento a Comissão de Produtividade pretende introduzir uma “taxa de imigração” com um preço fixo ditado pela demanda; ou definir um limite de entrada. A Comissão também considera criar um esquema de loteria de vistos, semelhante ao dos Estados Unidos. A Comissão salienta que a introdução de um sistema baseado em altas taxas poderia levar a alguma perda de controle do governo sobre a quantidade de imigrantes  e isso também poderia mudar a composição dos que aplicam para migrar para a Austrália. O Senador Leyonhjelm disse que um sistema de imigração com base no preço já havia sido apoiado pelo economista, ganhador do prêmio Nobel, Gary Becker. O Senador Leyonhjelm definiu $ 50,000 como um possível montante para o visto de entrada para a Austrália. “Isto faria uma contribuição financeira substancial para o orçamento da Austrália, o que possibilitaria impostos mais baixos para a população”, disse ele. Empresas que necessitam de mão de obra qualificada poderiam pagar a taxa ou os governos poderiam excluir a taxa para as profissões em demanda, disse ele. O ministro da Imigração Peter Dutton disse que “o governo está empenhado em ver a...

Read More
Voltando a ativa
Apr16

Voltando a ativa

Oi gente, tudo bom? Primeiramente quero me desculpar com vcs, pois fiquei muito tempo afastada do blog, mas foi por um bom motivo. Durante todo esse tempo muitas coisas aconteceram na minha vida e eu quero ter a oprotunidade de fazer alguns posts mais detalhados contando tudo pra vcs. Bom, nem sei por onde começar… Em maio de 2013 eu e o meu marido compramos um terreno, daí de maio até janeiro de 2014 nós passamos pelo processo de escolher uma construtora, fazer o projeto da casa, aprovar o projeto e tal para finalmente, em fevereiro de 2014, começar a construir a casa. A casa ficou pronta em julho de 2014. A mudança demorou 2 dias e depois tivemos que devolver o apartamento alugado em que morávamos. Depois disso a construtora teve que instalar um monte de coisas na casa, tivemos que fazer o jardim e até ontem a casa estava em manutenção. Bom… Em setembro eu fiz a cirurgia do implante coclear, para quem não sabe eu sou meio surda, literalmente falando (se vc quiser saber a história de como eu fiquei surda clique aqui). E durante os meses de setembro, outubro e novembro eu tive que ir no meu otorrino e na minha audiologista diversas vezes. Em dezembro nós fomos para o Brasil para o casamento da minha cunhada e para o casamento de uma das minhas melhores amigas. Voltando para Sydney nós fomos buscar nossa gatinha no criador e logo depois foi o Natal, meu aniversário e o Ano Novo. O ano de 2015 mal começou e eu já tinha voltado para o trabalho. Pra quem não sabe eu sou uma designer gráfica e trabalho período integral. Além disso a manutenção da casa estava à todo vapor. E quando eu fui perceber já era Abril. Agora tudo se ajeitou! Essa semana castramos a Chiquinha (nossa gatinha) e a construtora arrumou a última coisa que faltava na casa. Aleluia! Finalmente eu terei tempo para tocar o blog nas minhas horas vagas. E logo mais teremos vídeos novos no canal do YouTube com uma novidade super bacana, que eu tenho certeza que vcs vão gostar. Então é isso! Mais uma vez me desculpem pela longa ausência e espero que vcs estejam tão animados quanto eu com as novidades que vêm por aí! Um beijão e até mais, Drika...

Read More
Brasileiro foi recusado para uma vaga de barista em um café em Sydney por ser negro
Aug18

Brasileiro foi recusado para uma vaga de barista em um café em Sydney por ser negro

Até quando as pessoas vão ser tratadas diferentes por causa de cor, sexo, religião, orientação sexual? Nilson dos Santos tem 39 anos, é brasileiro e cidadão australiano. Nilson trabalha como barista na Austrália há nove anos. Ele aplicou para a vaga de barista para trabalhar no café Forbes and Burton que fica em Darlinghurst, Inner Sydney. O dono do café, “Steven”, é Chinês e chegou na Austrália neste ano. Ele precisa manter seu negócio por pelo menos dois anos para assegurar um visto permanente na Austrália. Steven disse que os clientes não gostariam de ter o “café feito por uma pessoa negra”. Leia o caso relatado por Nilson abaixo e não tem como não se impressionar com a reação que ele teve. Eu tiro o chapéu pra ele e isso nos ensina uma grande lição. Pagar com a mesma moeda não é a resposta. Nilson – “Eu amo a Austrália, sou livre aqui e por isso escolhi ficar. Sempre me senti aceito e bem vindo. Pra mim nunca foi um problema ser negro até hoje. Eu estou procurando por um trabalho como barista então eu liguei pra ele ontem (Sábado) pra marcar a entrevista depois de achar o anúncio no Gumtree. Pelo telefone ele me perguntou de onde eu era e eu disse que sou brasileiro. Quando eu cheguei no café para a entrevista ele olhou pra mim e pareceu surpreso. Ele não gostou do que viu. Nos sentamos e ele falou “mas você e negro?” Eu disse sim e ele me disse “mas meus clientes são brancos. Eu não acho que eles vão gostar de ter o café feito por uma pessoa negra. Isso não e parte da cultura do café. Você é africano.” Ele disse que eu não seria capaz de realizar o trabalho porque eu sou negro.” Nilson disse que ficou sem saber como reagir. “Eu pensei, o que eu devo fazer? Eu queria socá-lo mas pensei que se eu reagisse dessa forma, não seria a coisa certa a fazer. Mas também pensei que se eu simplesmente saísse e fechasse a porta, ele iria fazer isso de novo com outra pessoa. Então eu senti que devia fazer alguma coisa pra ensinar uma lição e mostrar a ele que não e dessa forma que você trata uma pessoa. Então eu levantei no meio do café e disse: “Com licença, não quero atrapalhar ninguém mas eu acabei de pedir emprego e ele me disse que eu não posso pegar o trabalho porque sou negro e eu não deveria fazer café para pessoas brancas.” Mesmo que uma coisa horrível aconteceu, várias pessoas se aproximaram para me dar suporte e me confortar.” Vários cliente expressaram sua indignação na pagina do Forbes and Burton no facebook. Alguns clientes se retiraram do local e uma garçonete se demitiu e pediu desculpas a Nilson pelo tratamento que ele recebeu. Steve ainda disse “não sou racista. Me desculpa mas...

Read More
Como Exercer a Profissão de Dentista na Austrália
Jan20

Como Exercer a Profissão de Dentista na Austrália

Oi gente, tudo bom? Uma grande amiga minha me perguntou como é o processo de reconhecimento dos profissionais de Odonto na Austrália. Eu não tinha nenhuma informação a esse respeito, ainda mais porque a minha área é design e marketing. Então prometi a ela que eu iria me informar e aproveitei essa oportunidade para diponibilizar essas informações para vocês. Vai que alguém aqui também é da área de Odonto, né?! Bom, então vamos lá. O processo de reconhecimento da profissão de dentista consiste em 4 etapas longas e caras. É possível que demore alguns anos até que o candidato tenha seu diploma validado e possa exercer sua profissão legalmente. Na primeira etapa o candidato terá que entrar com um pedido para obter o reconhecimento do diploma de odontologia Brasileiro pelo ADC (Australian Dental Council – Conselho Dental da Austrália). Essa etapa é conhecida como Application for Assessment of Professional Qualifications in Dentistry. O primeiro passo é fazer o download do HandBook (em inglês) e preencher o Formulário necessário para dar início à solicitação e anexar uma cópia autenticada dos seguntes documentos (com tradução juramentada): Diploma Histórico Universitário Carta do conselho de onde possuí registro Com isso o Conselho Dental da Austrália poderá comparar os currículos pra ver se a grade do curso era similar ao das universidades Australiana. Uma vez reconhecidos os estudos e comprovada a experiência profissional, pode-se iniciar a segunda etapa do processo: As Provas. A segunda etapa é uma prova de inglês conhecida como Preliminary Examination. Essa prova tem duas opções: IELTS – uma prova de inglês para testar sua capacidade e eficiência em compreender a língua inglesa dividida em 4 partes: redação, audição, interpretação de de texto e comunicação verbal. Nessa prova o candidato não poderá menos do que 7 em cada um dos componentes. OET – uma prova de inglês que testa o vocabulário e conhecimentos específicos dos profissionais da área da saúde. A terceira etapa é uma prova escrita. Esta prova vai mudar a partir deste ano (2014), então procure se informar sobre as atualizações no site do ADC. A prova é geralmente realizada duas vezes por ano em diversos lugares da Austrália e consiste em várias questões de múltipla escolha e algumas questões dissertativas, divididas em 2 dias. O conteúdo vai de matérias básicas de odontologia á coisas mais clínicas, como reconhecimento de sintomas e manejo de situações. A última etapa é a prova prática. Essa prova só pode ser realizada na Austrália e ela também sofrerá alterações em 2014. Fiquem ligadinhos no site do ADC para maiores informações. Depois de aprovado em todas as etapas recebe-se o certificado do Conselho Dental...

Read More
Primeiro Ministro Australiano antecipa eleições
Aug05

Primeiro Ministro Australiano antecipa eleições

O primeiro-ministro da Austrália, Kevin Rudd, antecipou as eleições gerais no país para 7 de setembro e comentou neste domingo (4), ao fazer o anúncio, que o debate deve girar em torno de quem é mais confiável para administrar a economia do país em um momento de transição depois de uma década na qual a indústria de mineração australiana beneficiou-se amplamente de demanda industrial chinesa, hoje em desaceleração. O ano de 2013 foi marcado pelo vencimento do contrato da Rio Tinto, maior mineradora Australiana, com o governo chinês. Especulação sobre a renovação ou cancelamento do contrato tem gerado certa insegurança no mercado Australiano que teme que, com o fim do contrato, a Austrália afunde numa enorme crise econômica. Na abertura do período de um mês de campanha, Rudd defendeu que a economia australiana não pode mais depender tanto da demanda chinesa por minério de ferro e carvão, tida como o principal motivo para que a Austrália tenha atravessado os últimos anos de crise financeira internacional como um dos poucos países ricos a não entrarem em recessão. “Em quem o povo australiano mais confia para conduzi-lo pelo período de novos desafios econômicos que vêm pela frente?”, perguntou Rudd numa entrevista coletiva concedida no Parlamento. Rudd admitiu que seu Partido Trabalhista (centro-esquerda) inicia a campanha em desvantagem e comentou ter ouvido de seus conselheiros que, se as eleições fossem realizadas neste fim de semana, o governo passaria para as mãos dos conservadores. A gestão do Partido Trabalhista foi marcada por alguns casos isolados de corrupção, mas nada que chegue aos pés do que acontece no Brasil. No entanto, apesar de os conservadores estarem na frente das intenções de voto para compor a maioria no Parlamento, os australianos preferem ter o trabalhista Rudd no cargo de primeiro-ministro, em detrimento do líder conservador Tony Abbott. Depois de a antecipação do pleito ter sido confirmada, Abbott iniciou sua campanha com a promessa de “recolocar o orçamento sob controle”. A oposição acusa o governo trabalhista de ter gastado dinheiro demais em medidas de estímulo à economia. E grande parte da população é contra o asílo político dos refugiados que chegam à costa do país em embarcações precárias, conduzidos, na maioria das vezes, por coiotes. WikiLeaks lança novo partido político Mas a maior novidade dessas eleições será sem dúvida Julian Assange. Julian Assange, anunciou nesta quinta-feira, 25/7, o lançamento de um partido político com o nome da sua organização na Austrália, sua terra natal, além da própria candidatura ao Senado na Austrália para as eleições deste ano. Ele garante que sua experiência com a organização WikiLeaks o preparou para essa tarefa. Em entrevista ao The New York...

Read More
Page 1 of 41234