Bolsa de Estudos para Graduação na Austrália – Ciência sem Fronteiras
Jul17

Bolsa de Estudos para Graduação na Austrália – Ciência sem Fronteiras

O Programa Ciência sem Fronteiras (CsF) abriu o período para inscrições na modalidade graduação. No total, são 2,250 vagas abertas para 18 áreas do conhecimento científico e tecnológico na Austrália. Os estudantes interessados devem estar cursando a graduação. As bolsas para Graduação sanduíche são concedidas por meio das chamadas públicas, divulgadas periodicamente no site do Programa Ciências sem Fronteiras. Serão elegíveis os estudantes que tiverem mérito acadêmico – definido por Chamadas internas opcionais de cada Instituições de Educação Superior (IES) e no processo de homologação realizado pelo Coordenador CsF institucional, após as inscrições. Os candidatos devem possuir o nível de proficiência exigido no idioma pelas Chamadas, considerando que o nível exigido trata-se de uma média aceita por grande parte das instituições estrangeiras conveniadas e que o aluno, não necessariamente, terá direito a uma vaga em instituição específica. O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) também é requisito obrigatório. O estudante deve ter sido classificado com nota de no mínimo 600 pontos considerando os testes aplicados a partir de 2009. Serão elegíveis também os alunos participantes dos programas de Iniciação Científica e aqueles premiados em Olimpíadas de Matemática ou Ciências, Feiras Científicas e atividades similares, de mérito reconhecido.   Oportunidades na Austrália: ATN (Australian Technology Network of Universities) O ATN (Australian Technology Network of Universities) é uma aliança que reúne cinco universidades australianas que estão entre as melhores do país. As universidades do ATN focam em tecnologia, inovação e empreendedorismo. Sua excelente reputação entre os empregadores e a indústria gera resultados surpreendentes para seus formandos. Elas preparam seus estudantes para ingressar no mercado de trabalho, dedicando-se à busca do conhecimento e participam efetivamente na construção de uma sociedade mais sustentável para o futuro. Descubra aqui as universidades que fazem parte do grupo ATN e veja qual mais se adequa às suas necessidades. Universidades membros do ATN CURTIN UNIVERSITY [Perth] QUT (QUEENSLAND UNIVERSITY OF TECHNOLOGY) [Brisbane] RMIT UNIVERSITY [Melbourne] UNISA (UNIVERSITY OF SOUTH AUSTRALIA) [Adelaide] UTS (UNIVERSITY OF TECHNOLOGY SYDNEY) [Sydney] Em parceria com o CNPq a Australian Centre é a representante oficial das universidades membro do ATN (Australian Technology Network of Universities) no Brasil e auxiliará os bolsistas do programa Ciência sem Fronteiras no processo de matricula. Para mais informações sobre as universidades acesse: http://www.australiancentre.com.br/site/australia/atn.asp Australian Centre A Australian Centre é a representante oficial das universidades do grupo Australian Technology Network of Universities no Brasil e auxiliará os bolsistas do programa Ciência sem Fronteiras no processo de matricula, visto de estudante, passagem aérea, reserva de acomodação e orientação pré-embarque. Há 10 anos no mercado, a Australian Centre oferece serviço de assessoria qualificado e gratuito às pessoas interessadas em estudar na...

Read More
O Ouvido Biônico – Uma invenção Australiana
Jul17

O Ouvido Biônico – Uma invenção Australiana

Oi gente, tudo bom? Como muitos de vocês já sabem, eu sou surda unilateral. Hoje vim trazer uma matéria para quem tem interesse em conhecer esse grande médico Australiano, o Prof. Graeme Clark, inventor do ovido biônico. Em 1967 o Prof. Graeme Clark iniciou pesquisas para a realização de implante auditivo eletrônico na Universidade de Melbourne, Austrália. Seus esforços levaram à criação de um “ouvido biônico” implantável. Sua inspiração foram os fortes laços que o uniam ao pai, surdo desdo o nascimento. Sua meta era desenvolver uma método que aumentasse a capacidade auditiva e a qualidade de vida de deficientes auditivos. Em 1970 Prof. Clark chefiou a pesquisa no Instituto de Otorrino na Universidade de Melbourne. O primeiro Implante Coclear, que teve sucesso de imediato, aconteceu em 1978. Em 1979 a empresa Nucleus, produtora de equipamentos médicos, começou a se interessar pelo potencial econômico do trabalho do Prof. Clark. Dois anos mais tarde a Universidade de Melbourne, o governo australiano e a Nucleus firmaram acordo para desenvolver um IC viável e através de experimentos clínicos torná-lo accessível em todo mundo. Em 1982 foi fundada a Cochlear Ltd. a fim de levar adiante estes esforços. Prof. Clark é diretor do Instituto “The Bionic Ear” (O Ouvido Biônico) em Melbourne, o qual foi fundado em 1984. O Instituto se dedica à pesquisa da surdez e da melhoria do ouvido biônico. O resultado do trabalho da pesquisa é o Sistema de Implante Coclear Multicanal Nucleus, que possibilita a crianças e adultos com surdez profunda um importante entendimento da fala. Prof. Clark e a Coclear Ltd. são até hoje líderes na inovação na área de Implantes Cocleares. “Cochlear é, há 20 anos, o líder em fornecimento de Implantes Cocleares. O sucesso desta empresa do mais alto nível técnico significa, que podemos dar continuidade à nossa longa e frutífera parceria, permitindo às pessoas surdas ou com deficiência auditiva severa em todo mundo de ouvir.” – Prof. Graeme Clark Fonte: Traduzido do site alemão – www.cochlear.de por Petra...

Read More
Gafe em rede Nacional – Do Baralho!
Jul16

Gafe em rede Nacional – Do Baralho!

Oi gente, tudo bom? A Austrália se classificou para a Copa do Mundo e o Brasil nunca esteve tão em pauta como antes. No dia da classificação um repórter, muito animado, resolveu dar uma aula de conhecimento sobre a língua falada no Brasil e algumas expressões básicas que todo mundo deve saber! Hahahaha!!! 😀 Preparem-se para gargalhar: Beijos e até mais...

Read More
Sydney terá protestos em solidariedade aos manifestantes de SP
Jun17

Sydney terá protestos em solidariedade aos manifestantes de SP

Oi gente, é com imenso orgulho que eu venho informar a vocês que Sydney também terá uma manifestação em apoio aos protestos que vêm ocorrendo no Brasil nessa última semana. A manifestação pacífica será amanhã, dia 18 de junho, as 17 horas em frente à fonte do Hyde Park. A noite de violência policial no centro de São Paulo nesta quinta-feira (13/06) ecoou ao redor do mundo. Brasileiros, em parceria com nativos de diversos países, prometem para a próxima terça-feira (18) um ato de repúdio à Polícia Militar e de solidariedade aos que sofreram algum tipo de agressão. Residentes de França, Alemanha, Portugal e Canadá estão entre os países que estão se organizando por meio do Facebook para uma manifestação chamada “democracia não tem fronteiras”. “Contra precariedade do transporte público e a política repressora do governo, por meio de ações violentas da polícia”, descreve a página oficial do movimento. “O povo de São Paulo, Rio e em algumas outras grandes cidades do Brasil tomou as ruas para protestar contra o que era algo aparentemente trivial no início, mas que acabou se tornando uma luta a favor de uma melhor qualidade de vida e igualdade no país”, afirmam os organizadores do evento na Alemanha. “Mesmo que tenhamos um oceano de distância, nós, brasileiros no exterior, queremos demonstrar nossa recusa em aceitar a violência militar contra os protestos democráticos no Brasil. Contra a repressão policial contra a barbárie dos governantes”, postaram os organizadores do evento no Facebook Aqui na página do Facebook vocês podem encontrar mais informações. (clique aqui) Vamos nessa? #VemPraRua você também! 🙂 Fonte: Revista...

Read More
Austrália é o país mais feliz do mundo, segundo OCDE
May31

Austrália é o país mais feliz do mundo, segundo OCDE

Oi gente, tudo bom? Eu já tinha falado sobre esse assunto nesse post aqui. Mas ontem eu li essa matéria da BBC Brasil e resolvi compartilhar com vocês. Segue abaixo matéria na íntegra: “A Austrália foi eleita pela terceira vez como o país mais feliz do mundo em um ranking da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). O Brasil ficou em 33º lugar da lista – uma posição acima do resultado do ano anterior. O ranking compara os 34 membros da OCDE – na maioria nações desenvolvidas – e dois “parceiros-chave”: Brasil e Rússia. Suécia, Canadá, Noruega e Suíça vieram logo em seguida no ranking. A comparação foi feita com base em onze critérios, tais como renda, saúde, segurança e moradia. “A Austrália teve um desempenho excepcionalmente bom na medida de bem estar, como se pode ver pelo fato dela figurar entre os países melhor colocados em um grande número de tópicos do ‘Index da Vida Melhor'”, diz o relatório da OCDE. Mais de 73% dos 23 milhões de habitantes com idades entre 15 e 64 anos possuem um trabalho remunerado – o índice está acima da média dos países da organização. Além disso, a expectativa média de vida no país, de 82 anos, também é alta. Força da economia A economia australiana registrou mais de duas décadas de crescimento devido à demanda por seus recursos naturais. A nação também conseguiu passar ao largo da etapa mais difícil da crise financeira e foi o único grande país desenvolvido que conseguiu evitar a recessão global de 2009. Os países mais felizes do mundo Austrália Suécia Canadá Noruega Suíça EUA Dinamarca Holanda Islândia Grã-Bretanha A força econômica do país está se refletindo no dólar australiano, que atingiu os melhores patamares dos últimos 30 anos. Porém, o governo está começando a identificar alguns desafios ao crescimento, muitos deles relacionados à desaceleração da atividade mineradora e ao aumento do desemprego. Como resultado, o governo australiano tenta diminuir a dependência econômica do país em relação à mineração e desenvolver setores como o da construção e o da manufatura. Outro desafio a ser vencido é o atual aumento na disparidade de renda. De acordo com a OCDE, os 20% mais ricos do país recebem rendimentos seis vezes superiores aos 20% mais pobres do país.” Fonte: BBC...

Read More